Jovem de 23 anos comemora carteira assinada e estabilidade financeira na área de mecânica de motos

Texto: Michele Stella

 

Foi com o objetivo de consertar a própria motocicleta e economizar com mão de obra que Henrique Durães Gonçalves, de 23 anos, se matriculou em um curso de mecânica de motos em novembro de 2015.

Ele não imaginava, no entanto, que boas oportunidades surgiriam com a sua capacitação, a ponto de o que era apenas um hobby se transformar em profissão. “Eu não queria depender de mecânico para consertar minha moto. Mas aí gostei tanto da área que comecei a atuar profissionalmente mesmo”, conta o jovem, hoje funcionário da Camaleão Racing, localizada no Centro de Jundiaí.

Num período de oito meses, mais ou menos, ele atuou na oficina como mecânico. Depois, passou a ser vendedor de motocicletas, peças e acessórios e descobriu que o conhecimento da mecânica de motos é um diferencial e tanto para se destacar nas vendas.

“Estou adorando minha carreira. O mercado está muito bom em toda a região. Conheço pessoas que estão abrindo oficina e que estão ‘bombando’. E quem quer trabalhar registrado, como eu, também pode se dar bem porque a área está em alta”, complementa Henrique.

Assim como o jovem mecânico e vendedor, o empresário Murilo Santiago, dono da Camaleção Racing, também soma motivos para comemorar. “Funcionários

como o Henrique conseguem absorver tudo. Com o conhecimento da mecânica, ele pode vender, pode comprar motos pra gente, Ele representa o mecânico que o mercado atual exige, que está longe do estereótipo das mãos sujas de graxa”, avalia o empresário.

De acordo com Santiago, o bom mecânico nos dias de hoje precisa entender de motos, saber utilizar bem o computador, ter habilidade de relacionamento com o público, além de gostar do que faz, claro.

“Hoje oferecemos um espaço para o cliente onde ele pode fazer a manutenção periódica de sua moto, por exemplo, comprar uma motocicleta nova, além de acessórios diversos. Os diferenciais são a qualidade do produto, o atendimento, a transparência para a realização dos serviços na oficina”, explica, esclarecendo: “O perfil do mecânico mudou, assim como o perfil do espaço que oferecemos aos nossos clientes.”

 

Fotos: Elton Oliveira